> Matérias-Primas / Perfil

ETERNO OTIMISTA

JOSÉ CARLOS oehler, DIRETOR DA JPAN, ENCARA COM OTIMISMO O MOMENTO QUE ATRAVESSAMOS, APESAR DA TRAGÉDIA DAS MAIS DE CEM MIL VIDAS QUE JÁ SE PERDERAM, E ACHA QUE AS LIÇÕES QUE A PANDEMIA ESTÁ NOS ENSINANDO NOS FARÃO EVOLUIR COMO SERES HUMANOS

José Carlos Oehler iniciou a JPan do zero, como costuma dizer, há 25 anos. Vendedor de produtos para panificação já com bastante experiência na época, ele decidiu que era hora de fabricar produtos da maneira que ele achava que deviam ser produzidos, para assim atender a clientela que lhe era fiel. “A JPan é uma empresa bem familiar, e é dessa maneira que ela é administrada e essa também é nossa relação com os funcionários e com os clientes, tratando-os como membros de nossa família”, relata ele. A JPan iniciou suas atividades produzindo melhorador de farinha, produto que continua sendo o carro-chefe, e depois foi agregando novos produtos, como cremes, recheios, misturas prontas, tendo alguns itens, como salgados e pães de queijo, como as preferidas do mercado, e por isso a JPan resolveu patrocinar a categoria Salgaderia do Concurso GRAN CHEFS 2020. Hoje a empresa possui 70 itens em linha, entre eles, como destaque, além do pão de queijo já mencionado, também há campeões de venda como a mistura para Ciabatta, que é feita com farinha de sêmola, ao invés de farinha trigo comum, o que dá uma grande diferença no produto, e o JMix 10, que pode ser usado com sucesso para fabricar uma larga gama de produtos. “Nosso índice de reclamação dos clientes é próximo de zero. Nossos produtos são elaborados para sempre dar certo. Para isso fazemos questão de selecionar bons fornecedores e exigir matérias-primas de qualidade, para satisfazer nossa clientela em todos os seus padrões. Nossos produtos podem não ser os mais baratos, mas nossos clientes estão sempre satisfeitos com eles. Isso para nós é fundamental. Nos sentimos orgulhosos quando clientes nos contam que foram abordados por empresas de pães congelados para trocar os pães de queijo, que fazem com nossa mistura, pelos pães de queijo congelados, mas que ao experimentarem, sentem uma grande diferença. E eles sempre continuam conosco, pois sabem que seus clientes iam rejeitar a mudança. Para nossa clientela, assim como para nós, a qualidade vem em primeiro lugar”, orgulha-se.
Assim como para todos, a pandemia chegou para a JPan como um terrível percalço, derrubando as vendas dos produtos e causando um grande estrago. Mas isto não chegou a desanimar o empreendedor. Com uma equipe de vendas que atende diretamente nas padarias da Grande São Paulo, e uma logística que faz chegar aos clientes produtos sempre frescos usualmente no dia seguinte da compra, depois do choque inicial, em pouco tempo a empresa já estava trabalhando na recuperação das vendas. “O interessante é que, como trabalhamos diretamente com as padarias, e as padarias tiveram uma terrível queda nas vendas, nosso faturamento diminuiu bruscamente não em razão de redução de clientes, mas sim das vendas deles. Não fizemos questão de empurrar produtos para ficarem estocados nas padarias, ao invés disso continuamos vendendo apenas o que elas tinham capacidade de produzir e vender, e desta forma continuassem oferecendo produtos sempre frescos para seus clientes. É assim que agimos com as padarias, sempre ao lado delas, em momentos felizes e principalmente em momentos de desafio, como este que atravessamos. Sabemos que esta atitude nossa pesará no momento da retomada da economia, e isso já está acontecendo. Nossas vendas já estão retornando aos poucos”, atesta José Carlos.
Para quem conhece o empresário, sabe que José Carlos sempre mantém sua serenidade e seu otimismo diante dos mais duros obstáculos e dos maiores desafios. Não está sendo diferente diante do Covid-19. “A mudança foi muito repentina e exigiu muito de todos nós, mas acho que dentro de alguns meses nós estaremos tirando lições desta pandemia. Nós vamos nos reciclar. Vamos assimilar novos conhecimentos, tomar novas atitudes e deixar de lado aquela correria insana pelo lucro acima de tudo, aquela coisa estressante. O vírus nos obrigou a relaxar e dar mais valor às coisas simples da vida, como a família, a relação de uns com os outros, inclusive entre as empresas, e isso irá nos engrandecer como seres humanos. Muitos empresários estão reaprendendo a trabalhar. Fazendo o trabalho do dia a dia de maneira correta, sem atropelos e nem enganações, porque isso não se justifica mais. Sei que nem todos tomarão estas atitudes, mas quem quiser prevalecer depois da pandemia terá que agir de outra forma, e isso já está acontecendo. Essa é a nossa reinvenção. Temos que nos unir. Acabou o tempo de tratar os outros com arrogância. É incrível como temos recebido atenção de fornecedores que nunca tiveram tempo para nos atender, e isso é positivo, todos ganham. E no final a qualidade vai ficar. Os aventureiros vão sair do mercado. O mundo está se reciclando. Apesar de toda a tragédia que esta pandemia está trazendo, o ser humano está aprendendo a ter uma relação mais coesa e digna com seus semelhantes e com a natureza, e quem é inteligente, quem quer continuar no mercado, quem deseja ter mais qualidade de vida, vai dar mais valor às lições que a pandemia nos traz. Por isso eu me mantenho otimista. Sei que o mercado nunca mais será o mesmo, mas nossos planos continuam, de uma forma diferente, mas continuam nos levando para a frente, com honestidade e sinceridade. Aos nossos clientes, só tenho que agradecer, por nos dar o privilégio de continuar recebendo nossos vendedores e comprando nossos produtos. Em breve poderemos nos abraçar novamente e celebrar nossas vitórias”, anseia José Carlos.

Rolar para cima