> Carta ao Leitor

AO REI, NOSSA HOMENAGEM

edição especial do dia mundial do pão reúne reportagens, artigos e receitas que mostram a valorização cada vez maior do pão como astro principal das padarias

Na primeira edição da Revista PADARIA 2000, lançada em 8 de dezembro de 1993, eu fiz uma reportagem na padaria Palácio do Pão, de Santo André/SP, intitulada “A Padaria onde o Pão é Rei”, porque ali naquela pequena padaria os pães eram tratados com o valor que mereciam, produzidos em um ambiente adequado e limpo, com equipamentos e matérias-primas de qualidade e expostos no melhor lugar da loja.
Ao longo de todos estes anos, vimos que as padarias se diversificaram, se multiplicaram, se transformaram em verdadeiros centros gastronômicos onde se vende de tudo, “inclusive pães”, como dizem com certa mágoa aqueles que acham que os pães vêm perdendo seu espaço com todas estas transformações. Há algum tempo, o valor e o respeito aos pães estão sendo resgatados por uma legião não de padeiros tradicionais, mas de amadores, no mais puro sentido desta palavra, ou seja, pessoas que se apaixonaram pelos pães e passaram a produzir em casa, resgatando a maneira como os pães eram feitos antes da produção em massa, ou seja, com longas fermentações, utilizando fermentos naturais e dando ao pão todo o tempo que precisa para crescer. Na pandemia esta legião se multiplicou, com cursos on-line e venda de pães por encomenda, e esta tendência não passou despercebida pelas padarias, que começaram a oferecer, dentro das possibilidades, pães mais naturais e quase artesanais.
No pós-pandemia, esta nova forma de se fazer e vender pães não deve se perder, pelo contrário, deve proliferar e avançar, exigindo das empresas fornecedoras e das padarias maneiras de se produzir e comercializar pães que tenham como principal objetivo tratar este alimento com o respeito que merece. Isso fará com que todos saiam vencedores neste processo de valorização cada vez maior do pão. Afinal, como vimos falando desde nossa primeira edição, ele é o Rei da Padaria.
Pedro Eugênio Prado

Rolar para cima